(Foto: Marco Gomes/Creative Commons)

Cara, surreal: o governo vai pagar uma “bolsa-crack” para os viciados. Você viu essa? Como assim?
Claro que vi, mas não é bem uma bolsa. Ele se chama Cartão Recomeço.

Ué, eu fiquei sabendo que o cara vai ganhar R$ 1300 só porque se viciou nessa porcaria. Não é isso?
Não exatamente. Sim, esse é o valor e é para os dependentes de crack, mas é para quem já está em tratamento e não consegue vaga no serviço público de saúde.

Mesmo assim, poxa. Pagar muito mais que um salário mínimo para quem usa droga não me parece certo! O cara vai comprar mais droga!
Mas esse dinheiro não pode ser usado de qualquer jeito. Ele só poderá ser usado para pagar o tratamento da pessoa em uma clínica de reabilitação particular. E os especialistas dizem que para tratar desse vício do jeito certo são necessários seis meses, que é o tempo o Cartão Recomeço paga de tratamento.

Mas não é um absurdo ser maior que o salário mínimo? O trabalhador se ferra e o craqueiro fica na boa, na clínica particular?
Bom, ser viciado em crack não é uma festa, não é mesmo? E quanto ao valor, vamos pensar no seguinte: e quando uma pessoa recebe atendimento pelo SUS? Quando alguém, por exemplo, faz uma cirurgia num hospital público? Gasta-se um bom dinheiro, certo? E esse custo quem paga é estado, prefeitura, quem for. Bom, aqui é o mesmo princípio: o governo do estado de São Paulo vai cobrir as despesas em clínicas particulares porque não tem estrutura para receber o grande número de pessoas que quer se tratar.

Continuo revoltado. Vi um post no Facebook dizendo: “Agora só falta o bolsa-assassino”.
Tem uma diferença grande. O crack é um problema de saúde pública. Quem se vicia nessa droga perde a capacidade de cuidar de si mesmo e precisa de ajuda para ter esperanças de conseguir voltar a viver da maneira mais normal possível. Quem é especialista no assunto diz que não se deve tratar dependentes químicos e criminosos do mesmo jeito, porque são duas coisas diferentes. Além disso, nem todo dependente é um criminoso.

Isso não é um absurdo? Não ter vagas?
Sim, concordo! Deveríamos ter condição de atender a todos, mas eu e você sabemos que isso está MUITO longe de ser verdade.

E vai começar por onde? Pela Cracolândia, lá no centro de São Paulo?
Não, porque o governo estadual diz que já existe um programa na cidade para atender aos dependentes. O cartão vai valer em 11 cidades pelo estado.

Uma última coisa: você ficou falando que é só em São Paulo isso, mas essa história não é a Dilma que está inventando?
Não é. O Cartão Recomeço é do governo do estado de São Paulo, do Geraldo Alckmin. Eu vi pela internet umas imagens dizendo que é do governo federal, mas não é não.

Saiba mais:
Reportagem do Estadão
Matéria do Terra
Entrevista de Marcelo Ribeiro de Araújo, doutor em Psiquiatria (UNIFESP)