(Foto: Reprodução/Facebook)

Um monte de gente no Facebook publicou fotos de uns cachorros resgatados de não sei onde. Ficou sabendo dessa?
Fiquei sim. Na noite de quinta-feira (17/10), cerca de 100 pessoas invadiram o Insituto Royal (São Roque – SP) e retiraram de lá 178 cães da raça beagle que eram usados em pesquisas farmacêuticas.

E os cachorros estavam sendo torturados? 
Os ativistas dizem que eles sofriam maus-tratos, por isso resolveram tirar os cães de lá.

Mas fazer pesquisa com bicho já não é maltratar?
Olha, tem bastante gente que acha que sim, que é desnecessário porque faz os bichos sofrer. Mas o fato é que esse tipo de pesquisa é permitido por lei, desde que os animais não sejam tratados de maneira cruel.

O que o pessoal fez com os cachorros?
Eles foram colocados para adoção através do Facebook.

Eles podem fazer isso?
Bom, teoricamente não podem, porque os cães são do laboratório. O Instituto Royal, até onde se sabe, não estava fazendo nada ilegal. Os ativistas resolveram invadir o local por iniciativa própria. Agora, se forem identificados, vão ter que responder por furto.

Furto? Que absurdo! Mas eles ajudaram um monte de animais que estavam sofrendo!
Pois é, esse é um assunto muito delicado e complicado. Sim, é horrível pensar que animais indefesos e fofos como os beagles possam ser usados em experimentos. Mas é fato também que isso está de acordo com a lei, como eu já disse. Tem gente que acha justificável que animais, como cães, ratos e peixes, sejam usados nesses testes, se for para garantir melhorias nas vidas do humanos – como na produção de remédios mais eficientes.

Você está me dizendo que pessoas heróicas que salvaram cachorrinhos inocentes são iguais a bandidos?
Não. Mas eles fizeram uma escolha ao passar por cima das leis e do Ministério Público (que já estava investigando denúncias de maus-tratos) e resgatar os bichos. Mas vão ter que arcar com as consequências do que fizeram.

É verdade que aquela marca de produtos para cachorros, a Royal Canin, é dona do tal do Instituto Royal? 
Isso não é verdade. Foi um boato que circulou, mas a própria empresa publicou um comunicado dizendo que não tem vínculo nenhum com o Instituto.

Mas e agora? Vão proibir a pesquisa nos bichos, finalmente?
Agora temos de esperar para ver. A proibição terá de vir de uma luta política. O Conselho Federal de Medicina Veterinária e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência já disseram que apoiam o uso de animais em pesquisas. Estamos sabendo agora que existe gente bastante gente disposta a mudar essa prática. Vamos ver o que vão fazer para mudar as leis.

Saiba mais:
Folha: Ativistas resgatam cães em São Roque
Estadão: Dois beagles são resgatados pela polícia
G1: Grupo protesta há 6 dias em frente a instituto
G1: Empresa nega maus-tratos
Rádio Estadão: Membro do Conselho Federal de Medicina Veterinária diz que normas devem ser respeitadas
Comunicado da Royal Canin
SBPC critica invasão do Instituto Royal
Lei 11.794