Marina Silva fala à imprensa (Foto: José Cruz/ABr/Creative Commons)

Tem uma história que eu ainda não entendi: na semana passada vi que a Marina Silva, aquela que foi candidata a presidente, entrou no PSB. Por que ela foi pra lá?

Porque se ela não se filiasse a nenhum partido, não poderia se candidatar de novo esse ano.

Mas ela já não tinha o partido dela? O PV? 
Olha, do PV ela saiu em 2011. Ela tentou fazer um partido novo, o Rede Sustentabilidade, mas não conseguiu. Por isso teve que ir pro PSB, entendeu?

E por que ela não conseguiu?
Existe um monte de regras para criar partidos novos. Por exemplo, a nova agremiação tem que conseguir 492 mil assinaturas. A Rede não conseguiu cumprir essa exigência e ficou de fora.

Li em algum lugar que ela conseguiu e o PT impediu! Que a Dilma foi autoritária!
Hm, isso não é bem verdade. Como eu disse, existem regras para que um partido passe a existir. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostrou que as assinaturas que a Rede conseguiu, apesar de serem em número suficiente no total, tinham erros. Isso acabou anulando uma parte delas e impedindo o partido de se registrar. A Dilma não tem nada a ver com isso e não tem poder de decidir essa questão. Prova disso é que outros partidos conseguiram aparecer, como o Pros e o Solidariedade.

Bom, então ela é do PSB agora? Vai ser candidata, então?
Essa é uma questão que ainda não foi resolvida. Tem gente dizendo que será o Eduardo Campos, outros dizem que será a Marina Silva. Com certeza os dois vão concorrer juntos, como presidente e vice, mas em que ordem ninguém sabe ainda.

Me diz uma coisa: não é meio estranho ela ir pra um partido comum? 
É um pouco, especialmente porque ela dizia que iria fazer uma política nova, preocupada com questões importantes e não com a “politicagem”. Mas acho que ela preferiu poder se candidatar.

Bom, agora ela é do PSB, então.
O pessoal da Rede diz que não, que não é do PSB. Estão dizendo que só se filiaram ao partido para poderem ter ” abrigo” nas eleições de 2014, mas nem cogitam “ser” do partido.

Como assim? Não entendi.
A Rede diz que continua sendo independente e um partido separado, mesmo estando dentro do PSB. Para provar isso, não querem ter nenhum cargo dento do partido.

Isso não faz sentido. 
Concordo com você. Como é que eles dizem que não são do partido se têm até carteirinha, não é? Mas estou te contando só o que eles dizem. O termo usado é que a a Rede está em “coligação” com o PSB.

Essa história é boa ou ruim para a Dilma?
Ótima pergunta! Por um lado, é ruim, porque dois candidatos fortes de juntaram e, possivelmente, vão juntar mais votos para tentar ganhar dela na eleição. Por outro, dizem que é bom para a Dilma. Se os dois estivessem com candidaturas separadas, a chance de ter segundo turno seria maior porque haveria mais candidatos e os votos ficariam mais dispersos. Juntando os  dois, alguns desses votos podem ir para a Dilma.

O que vai acontecer, então?
Ninguém sabe! A ida da Marina ao PSB foi surpreendente. Não tinha ninguém pensando que isso podia acontecer. Agora é esperar para ver quem sairá candidato e se vai conseguir competir com o PT.

Saiba mais:
Folha: Marina decide se filiar ao PSB
G1: Rede não vai ocupar cargos no PSB
Carta Capital: Marina diz: “Candidatura do Eduardo está posta”
Carta Capital: União provoca primeiras rusgas
Valor: Eduardo é herdeiro dos votos de Marina