(FOTO: EBC/Reprodução)

Vejo em todo lugar só notícia ruim sobre o Maranhão. O que está acontecendo por lá?
Está uma confusão danada, não é mesmo? Bom, o jornal O Globo está chamando de “onda de violência”. Ou seja, uma série de acontecimentos violentos que “resolveram” acontecer de uma só vez.

Tá, mas me explica direito: vi que tem um presídio com uns problemas, ônibus sendo queimados na rua…
Verdade, isso tudo está acontecendo. Vamos com calma. As primeira notícias foram de ataques aos ônibus, que matou uma menina e feriu cinco pessoas. Esses ataques foram ordenados de dentros dos presídios, em represália ao que está acontecendo com os detentos.

E o que está acontecendo com os presos?
A Tropa de Choque do Maranhão fez uma operação no presído de Pedrinhas para acabar com a violência entre os presos.

Eita. Então me explica o que os presos estavam fazendo?
Você deve ter ouvido falar ou visto um vídeo em que detentos aparecem decapitando rivais. É por isso: as rixas entre facções saíram do controle a polícia teve que intervir. Nas revistas, acharam facões, celulares e até revólveres. A Folha de S. Paulo mostrou que as visitas não eram revistadas apropriadamente antes de entrar em Pedrinhas.

Bom, mas o que esse presos queriam também?
Juntou duas coisas: a interferência da polícia dentro do presídio e denúncias de que os PMs torturaram alguns presos.

Aí os presos ficaram bravos? E eles têm esse direito, ué? Torturar não pode, concordo, mas eles querem protestar porque acabou a farra? Não é justo!
Lembre-se: foram facções criminosas que ordenaram esses ataques. Elas estão em disputa com a polícia e o Estado (quero dizer, o governo estadual, governo federal). É uma demonstração de poder. Uma facção criminosa não está preocupada com justiça.

Alguém fez alguma coisa? Botaram ordem?
Olha, estão tentando. Uma comissão de senadores foi até o presídio de Pedrinhas para ver as condições de lá (que são bem ruins, como a da maiorias das prisões do Brasil).  A Guarda Nacional foi acionada e revistou o presídio de novo. O ministro da Justiça disse que se o governo do Maranhão precisar, a Guarda pode ajudar a polícia na segurança pública.

Agora vai, então? Resolvido?
Você sabe que não. Não foi a primeira vez que aconteceu uma chacina em Pedrinhas. E provavelmente não será a última. Como em todo o Brasil, a segurança é um problema antigo no Maranhão, um estado que não tem tantos recursos como São Paulo ou Rio. E a coisa parece estar piorando: o UOL mostrou que, em 2013, o assalto a ônibus cresceu 141%.

Leia mais:
G1
Terra
Folha de S.Paulo
Globo News
Carta Capital
Fantástico 
UOL

Um comentário

  1. Sandra dos Santos Correa

    pq os presos nao são colocados p trabalharem em vez de ficarem presos e só darem despezas p todos os basileiros ?