De repente eu vi todos os jornais falando de um brasileiro que estava na Itália e foi preso. Que história é essa?
Ah, você deve estar falando do Henrique Pizzolato, que foi preso no dia 4 de fevereiro, não é isso?

Isso, era esse o nome. Ele é brasileiro, né? Mas não tinha passaporte italiano?
Ele tem mesmo, e foi preso mesmo assim. Quando o Supremo Tribunal Federal decretou a prisão dele, em novembro de 2013, a Interpol colocou o Pizzolato numa lista internacional de procurados.

Mas o que ele fez mesmo?
Ele é um dos condenados no processo do mensalão, a ação penal 470.

Pensei que tinha sido por causa de um passaporte falso.
Verdade que ele estava usando o passaporte do irmão dele, que já até morreu. Mas esse não foi o motivo da prisão, não. A Polícia Federal disse que os italianos estavam monitorando o Pizzolato por lá.

E deixaram ele fugir? A Itália deixou ele entrar? Que absurdo!
Claro, ele conseguiu fugir, mas antes da prisão dele ser decretada. E como ele usou o passaporte do irmão com a foto dele próprio (ou seja, ele adulterou o documento), ninguém percebeu quem era de verdade. Mas foi preso, não é? Enganou, mas não por muito tempo.

Então ele era do PT, é isso?
Não, ele era diretor de marketing do Banco do Brasil. Foi condenado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e peculato (apropriação de bens públicos feita por um funcionário publico).

Agora ele vai voltar para cá?
Se o governo da Itália aceitar o pedido de extradição, o Pizzolato volta para o Brasil para cumprir pena. O problema é que ele é cidadão italiano também. Na teoria, o país europeu não poderia extraditar seu próprio cidadão. O jeito seria o Brasil mandar o processo para lá. Aí, Pizzolato poderia ser processado lá e condenado de novo.

Eita! Teria que fazer tudo de novo? Embargos infringentes e os cambau?
Olha, eu não sei como seria. Ainda não está claro o que vai acontecer. Como eu sempre te digo, é bom ficar de olho e acompanhar as notícias. Agora você já sabe quem ele é, pode ler as reportagens sem medo.

Saiba mais:
Folha: Entenda o caso
G1: Pizzolato era procurado pela Interpol
IstoÉ Dinheiro: Entenda o plano de fuga de Pizzolato
EBC: Ministério da Justiça pedirá que Pizzolato cumpra pena na Itália
Wikipédia: Peculato