(Foto: Wikimedia Commons)

Afinal: São Paulo está ou não em racionamento?

Ótima pergunta. Essa é uma questão que está ficando cada vez mais complicada. A resposta mais simples e oficial para a sua pergunta é: não está. A Sabesp, empresa que cuida do tratamento e distribuição da água no estado de São Paulo, diz que não há racionamento.

Mas existem várias reclamações de pessoas que estão sem água, não é verdade?

Verdade. Isso está sendo relatado por vários veículos da imprensa e nas redes sociais. Muitos bairros da região metropolitana de São Paulo e cidades do interior estão com o abastecimento de água irregular. Em alguns casos, já faz dias que não sai nada das torneiras. A Agência Estado afirmou que 13,7 milhões de pessoas estão sendo atingidas pela falta d’água. 

E por que o governo não admite que estamos em racionamento?

Bom, existem vários motivos para que eles não queiram admitir. Mas não podemos especular porque não sabemos quais são. Na internet você acha várias “explicações”, mas aqui vamos tentar nos concentrar nos fatos.

Certo. Então por que isso tudo está acontecendo? Por que São Paulo está sem água?

A primeira explicação para isso é a seca histórica que o estado vem enfrentando. O último verão, por exemplo, foi muito mais seco do que o normal. Isso atrapalhou a reposição da água em reservatórios como o Cantareira, que abastece a Grande São Paulo. Em maio de 2014, a USP mostrou que essa é a maior seca que o estado enfrentou nos últimos 45 anos.

A culpada é só a seca, então. Resolvido, certo?

Calma, não é bem assim. Sim, a seca é um fator importante para entender essa falta d’água, mas está longe de ser o único. Existem outros.  Um deles é a falta de investimentos em obras que poderiam diminuir a dependência de SP do sistema Cantareira, que já estava sobrecarregado antes mesmo dessa seca histórica começar. O Estado de São Paulo mostrou que a Sabesp já sabia do risco de uma seca desde 2012. 

Calma, que obras? O que a Sabesp poderia ter feito?

Por exemplo, a construção do sistema São Lourenço, que serviria para trazer água do interior para a capital. Uma reportagem da Folha de S.Paulo mostrou que a Sabesp deixou de investir 37% do que estava previsto em obras desse tipo entre 2008 e 2013. O sistema São Lourenço deveria ter começado a ser construído em 2011, mas as obras só se iniciaram em 2014. Outra obra não-feita mostrada pelo documento obtido pela Folha é a integração entre os sistemas de abastecimento da Grande São Paulo.

E por que a Sabesp não fez nada?

Também não sei, mas os veículos de comunicação estão apenas começando a ir atrás dessa explicação. Já li uma explicação que usa a seguinte linha de raciocínio: a Sabesp, uma empresa inicialmente pública, começou a vender ações na bolsa nos anos 90. Isso fez com que ela precisasse dar lucros a quem investiu dinheiro nela. Assim, a busca por bons resultados financeiros fez com que a companhia deixasse de se preocupar com investimentos importantes, mas menos lucrativos. Você poder ler um texto sobre isso no Jornal GGN.

E me diga uma coisa: a culpa disso tudo é da Dilma?

Não é da Dilma. A administração da Sabesp e do abastecimento de água do estado de São Paulo são de responsabilidade do governo estadual,  que está nas mãos do PSDB desde 1994. Como todo mundo sabe, o partido garantiu mais 4 anos no poder com a reeleição de Geraldo Alckmin.

Mas o governo federal não poderia ter feito nada?

Verdade, o governo federal pode ajudar sim, mas apenas se o governo estadual pedir ajuda. Não está claro se isso de fato aconteceu. O candidato Aécio Neves acusou o governo federal de não ter feito nada. A presidenta Dilma disse que seu governo não foi procurado pelo governador Geraldo Alckmin.

Se chover o Cantareira pode encher de novo?

Não necessariamente. As previsões para o verão são de que as chuvas vão voltar ao normal, mas dificilmente conseguirão repor totalmente a água. Segundo um professor da USP, em abril do ano que vem, com as chuvas de verão, o Cantareira deve chegar a 8%, menos do que tinha na mesma época de 2014 (13%). Ou seja: se algo não for feito, o sistema pode secar.

Saiba mais:
– Sabesp não investiu 37% do previsto em obras pré-crise (Folha)
Seca atual é a maior em 45 anos, mostra USP (UOL)
O que é o volume morto? (Me Explica?)
Relatório da Sabesp aponta risco no Cantareira desde 2012 (Estadão)
Sabesp distribui até 60% dos lucros aos acionistas durante o governo Alckmin (Jornal GGN)
Pouco investimento e seca histórica explicam falta d’água em São Paulo (Zero Hora)
Crise da água em São Paulo: o quanto falta para o desastre (Época)
Chuvas de verão não devem bastar para o Cantareira (Folha)
O fundo do poço (Superinteressante)

2 comentários

  1. Carlos Eduardo Michelassi

    Quando se fala em maior seca nos últimos 45 anos, isso quer nos dizer que já houve pior?