Texto: Ariadne Bognar
Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Eduardo Cunha não é mais presidente da Câmara. É verdade?

Sim. Ele renunciou hoje (7) à presidência da Câmara dos Deputados, durante uma coletiva de imprensa. Cunha pretende reverter os votos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na tentativa de fazer o caso voltar ao Conselho de Ética e, talvez, salvar seu mandato.

O que isso significa?

Cunha recorreu no CCJ, sobre a votação do relatório do Conselho de Ética que pediu a cassação do seu mandato. Se a maioria dos integrantes votar a favor o caso pode retroceder e até um novo relator pode ser escolhido. Caso contrário, o Conselho de Ética encaminhará o relatório para o plenário, até que seja concluído em voto aberto. São necessários 257 votos para o parecer ser aprovado em plenário.

Quem assume seu lugar?

Ainda não se sabe. A Câmara deve realizar novas eleições para o cargo em no máximo cinco sessões.

E como ficam as denúncias que foram feitas contra ele?

Cunha responderá por todas elas e afirmou durante a coletiva que vai continuar defendendo sua inocência. Ele também disse que a Procuradoria-Geral da República o perseguiu e quis desgastá-lo como presidente da Câmara.

Isso já aconteceu antes?

Sim. Cunha foi o quarto a renunciar o cargo na Câmara, mas antes dele Aécio Neves (2002), Severino Cavalcanti (2003) e o atual presidente interino Michel Temer (2010) também renunciaram.


Saiba mais

Folha: Chorando, Cunha renuncia à presidência da Câmara
EBC: Eduardo Cunha renuncia à Presidência da Câmara

Um comentário

  1. silvana

    esse nosso país., poderia ter leis mais severas contra políticos que roubam o dinheiro publico da saúde escolas etc etc…por que defendem políticos como adolescentes criminosos ? isso é lei ? por que não criar uma lei para defender o povo de tal situação que vivemos ?isso nunca vai mudar eu choro ao me deparar com um absurdo desses