Foto: Reprodução

Já estou sabendo que aconteceu uma tentativa de golpe na Turquia. Mas não entendi nada. O que aconteceu, exatamente?

Foi muito confuso, realmente. E continua muito complexo. Mas vamos tentar entender um pouco mais. Na sexta (15), um setor das Forças Armadas da Turquia tentou dar um golpe de estado. Ou seja, tentou tirar o governo para assumir o poder.

Certo. E esses militares conseguiram dar o golpe?

Não. O golpe fracassou e na madrugada de sábado (16), o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que ele ainda tinha o controle do país.

Por que não deu certo?

Por vários motivos. Primeiro, porque uma parte do povo turco foi às ruas protestar contra o golpe. Algumas pessoas chegaram até a enfrentar os soldados. Segundo, porque o setor do exército que tentou tomar o poder não era forte o suficiente para controlar o país. Por isso, houve confrontos entre as tropas golpistas e as tropas que apoiam o presidente Erdogan.

Você falou em combates e conflitos. Morreu gente?

Sim. Fala-se em 265 mortos, entre militares e civis.

E o que o presidente da Turquia fez depois disso?

Durante a tentativa de golpe ele estava em férias no país. Quando os ataques a Ancara (a capital) e Istambul começaram, ele voou para o exterior e pousou em Teerã, capital do Irã. Quando as coisas voltaram ao controle, ele voltou ao país e anunciou diversas medidas. Mandou prender 2.800 juízes e mais de 6 mil militares por, segundo o governo, estarem envolvidos com o golpe. Policiais e funcionários públicos foram afastados. Erdogan também está apoiando uma proposta que pode recriar a pena de morte no país.

Quem é culpado pelo golpe?

Como eu já disse, uma parte do exército tentou tirar Erdogan do poder. Não ficou claro ainda quem liderava essa facção (setor). O atual presidente acusa o clérigo Fethulla Gulen, seu antigo aliado político e hoje adversário. Gulen tem seguidores pelo país, inclusive dentro das Forças Armadas.

E o que esse Gulen diz?

Ele nega que esteja por trás do golpe. Gulen mora nos Estados Unidos e vive no exílio.

Ele foi expulso do país?

Não, o exílio foi opção dele próprio. Mas nos anos 90, Gulen foi acusado de tentar mudar o país, que é laico, e fundar um estado religioso baseado no Islã.

Não entendi nada: ouvi dizer que o Erdogan estava sendo apoiado por religiosos muçulmanos…

De fato, as mesquitas da Turquia incentivaram as pessoas a saírem às ruas para protestarem contra o golpe. Mas, teoricamente, o presidente Erdogan é um defensor do estado laico.


Saiba mais:

Época: Entenda o golpe militar na Turquia e o que ele significa para o mundo
G1: Tentativas de golpe fazem parte da história recente da Turquia; entenda
CartaaCapital: Turquia: entenda a tentativa de golpe e suas repercussões

 

2 comentários