Por que tem gente dizendo no Facebook que a Folha manipulou dados de uma pesquisa? O que aconteceu?

Foi o seguinte: no dia 16 de julho, o jornal Folha de S.Paulo publicou uma matéria com base numa pesquisa feita pelo Datafolha que dizia que 50% dos brasileiros queria que Michel Temer continuasse no poder até o fim do mandato, em 2018 (leia a matéria aqui). Os dados também diziam que 32% das pessoas querem a volta de Dilma, 4% não querem nenhum dos dois e 3% desejam novas eleições.

E o que tem de errado nisso? É a opinião das pessoas!

Tem toda a razão. Não haveria nada de errado nisso mesmo. Mas o site americano The Intercept, editado pelo jornalista ganhador do Prêmio Pulitzer Glenn Greenwald, mostrou que havia um problema com a interpretação da Folha. Quando os dados completos da pesquisa foram divulgados, foi possível ver que a matéria do jornal paulistano omitiu informações importantes ao divulgar os resultados da pesquisa.

O que a Folha fez?

O jornal afirmou que 50% das pessoas quer que Temer continue na presidência. Esse dado não é correto e explico o porquê. Sim, é verdade que metade das pessoas disse que quer que o presidente em exercício fique no cargo. Mas essa resposta foi dada quando só eram oferecidas duas opções aos entrevistados: “Você prefere que Temer fique ou que Dilma volte?”.

Por que isso importa? Esse dado mostra que tem mais gente que quer o Temer, ué…

De novo: você toda razão. Nesse caso DESTA pergunta, isso é verdade. O problema é que o jornal não revelou uma coisa importante. O Instituto Datafolha também fez uma pergunta na qual dava quatro opções, ao invés de duas: Temer fica, Dilma volta, nenhum dos dois e novas eleições.

 

folha
Mas eu vi a matéria. Essas duas últimas estavam lá!

Verdade. Mas elas só apareceram nos dados que a Folha divulgou em sua capa porque as pessoas ignoraram as duas opções possíveis e deram essas respostas (nenhum dos dois e novas eleições) voluntariamente, sem que os pesquisadores tivessem oferecido essas possibilidades.

Sinceramente, isso faz diferença? Está me parecendo meio papo de petista…

Faz muita diferença e te explico os porquês. Em primeiro lugar, porque uma pesquisa publicada em abril por outro instituto, o Ibope, dizia que 62% das pessoas queriam que Dilma e Temer saíssem e novas eleições fossem realizadas. É um número muito diferente do que a Folha mostrou agora: 3%. A segunda coisa, mostrada pelo The Intercept, é que Michel Temer tem apenas 5% das intenções de voto para 2018. E esse dado está na própria pesquisa do Datafolha divulgada no dia 16 de julho.

Tá, mas os resultados podem ser diferentes mesmo, não? Por que estão acusando a Folha de “fraude”?

Sim, podem ser diferentes, mas isso levanta dúvidas, afinal, as pesquisas existem para dar uma mínima segurança a respeito do que pensam as pessoas. Mas esse nem é o elemento mais importante desta história toda.

O que mais aconteceu, então?

O site Tijolaço descobriu que o Datafolha havia perguntado aos entrevistados se eles queriam que Dilma e Temer saíssem e que o país fizesse novas eleições. Mas o instituto não divulgou essa informação. E, claro, não divulgou que 62% dos entrevistados afirmaram que queriam novas eleições. Outra informação omitida pelo Datafolha é a de que 37% dos brasileiros acham que o impeachment de Dilma não foi democrático e não respeitou a Constituição, contra 49% que disseram sim.

A Folha disse alguma coisa sobre o caso?

Sim. O jornal disse que tem o direito de escolher o que acha “jornalisticamente relevante” em suas matérias.

E ele não tem esse direito?

Bom, nesse caso não. Se eles tinham um dado que diz que 62% das pessoas querem que Dilma e Temer saiam e novas eleições sejam feitas, por que não é relevante mostrar isso aos leitores? E lembre-se: o jornal divulgou apenas os dados sobre a pergunta que não dava as novas eleição como uma possibilidade de resposta. Então não dá pra dizer que esse argumento do jornal faça sentido. Outras pesquisas, inclusive uma feita pelo jornal, davam aos entrevistados a opção de novas eleições.

Mas olha, e se ele achou que esse tema não faz mais sentido? Que não importa a resposta das pessoas?

Certo, entendi sua pergunta. Então o jornal fez um julgamento errado, porque esse é sim um tema bastante discutido ainda.

Qual é a moral dessa história?

Não tem moral. Os fatos são: a Folha e o Datafolha deixaram de mostrar dados relevantes à população.

Foi manipulação?

Não dá para saber. Mas foram falhas muito sérias e, até agora, o jornal não deu respostas razoáveis para tantos erros. Vamos esperar para ver.

Uma última pergunta: vocês quase nunca dão opinião no Me Explica? e estou vendo que hoje estão dando. Por quê?

Bom, nós sempre tentamos contar as coisas a partir de fatos e informações confiáveis. Procuramos nos posicionar tendo boas bases. Nesse caso, nosso julgamento é o de que a Folha fez omissões sérias, que comprometem o direito dos cidadãos de terem acesso às informações. Como nós sempre defendemos os princípios do jornalismo e da democracia, achamos que era apropriado termos uma posição clara. Mas você, leitor, sempre tem o direito de discordar. Por isso, deixamos os links no final da matéria, para que você chegue às suas próprias conclusões. E se quiser compartilhá-las conosco, pode mandar mensagem por Facebook, Twitter, Tumblr, WhatsApp e e-mail.


Saiba mais: 

The Intercept: Resumo do caso em vídeo

The Intercept: Folha comete fraude jornalística com pesquisa manipulada visando alavancar Temer

Tijolaço: A Folha, Greenwald, e o acaso que fez o Tijolaço desmontar a farsa da pesquisa

Datafolha: Relatório da pesquisa

Folha: Perguntas feitas em pesquisa causam polêmica

EBC: Datafolha admite imprecisão em pesquisa

The Intercept: Folha’s Journalistic Fraud Far Worse Than We Reported Yesterday – A Smoking Gun Emerges

Um comentário