Imagem: Agência Brasil

Tomei um susto hoje. Vi que tem mais de mil escolas e não sei quantas universidades ocupadas no Brasil. O que está acontecendo?

Está acontecendo o seguinte: milhares de alunos de diversos estados estão ocupando escolas e universidades para protestar contra a reforma do Ensino Médio e a PEC 241, propostas defendidas pelo governo Temer.

Você têm números?

Sim. Segundo a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes) afirma estudantes ocupam 1.022 escolas e institutos federais, 82 universidades, quatro Núcleos Regionais de Educação e a Câmara Municipal de Guarulhos.

Em quais estados isso está acontecendo? São Paulo de novo?

Desta vez, são apenas cinco escolas no estado paulista. O maior número de ocupações está no Paraná (851). O segundo colocado é Minas (66). Em seguida vêm Rio Grande do Sul (13), Rio Grande do Norte (10), Goiás (10), Distrito Federal (8) e Rio de Janeiro (7). No caso das universidades federais de Minas, os protestos ocorrem em Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Tocantins, Alagoas, Maranhão e Bahia.

Quem está por trás disso tudo? O PT? O PSOL?

Não. Os estudantes estão se organizando de maneira espontânea, segundo informações deles próprios. E nada indica que as ocupações sejam organizadas por partidos políticos.

Mas esses estudantes não estão exagerando? Acho que eles querem só chamar atenção…

E você tem todo direito de pensar assim. Mas os estudantes estão protestando porque acham que o governo não debateu as duas propostas com a sociedade. Por isso, resolveram chamar a atenção da sociedade para essas questões ocupando as instituições de ensino.

Eu vi que um estudante morreu. Isso não está passando do limite já?

Verdade, um estudante foi assassinado por um colega dentro de uma das ocupações do Paraná. Mas podemos pensar que foi um caso isolado. Nas outras, isso não está acontecendo.

E quais são as críticas dos estudantes á reforma do Ensino Médio: Só que ela não foi debatida?

Não só isso. No caso da reforma, especialistas em educação criticaram as metas adotadas , que foram baseadas em um projeto de 1996, considerado muito atrasado para os dias de hoje. Além disso, critica-se as seguintes mudanças previstas: os professores não vão mais precisar ter diploma na área em que dão aulas, a flexibilização de metade do currículo básico (os alunos poderão escolher algumas matérias), fim da obrigatoriedade de educação física, artes, sociologia e filosofia (o governo voltou atrás) e incentivos para aumentar as escolas com ensino integral, entre outras mudanças.

E a PEC 241?

Os estudantes consideram que essa medida vai impedir melhorias na educação, já que vai obrigar a todos os ministérios que só aumentem seus gastos quando a inflação aumentar. O governo nega que isso vá acontecer.

As ocupações têm data para acabar?

Não. Os estudantes pretendem que a tramitação das duas medidas seja suspensa para que a sociedade seja ouvida.


Saiba mais: 

UOL: Mais de mil escolas do país estão ocupadas em protesto; entenda o movimento

Estadão: 1.022 escolas e 84 universidades estão ocupadas em 19 Estados e no DF

Me Explica: Entenda a reforma do Ensino Médio

Me Explica: Entenda a PEC 241, conhecida como PEC do Teto

 

6 comentários

  1. Sergio

    Protesto interessante , mas com resultados duvidoso, os deputados e senadores nao estao se sentindo ameaçados , portanto farão o que quiserem , se os estudantes fizessem manifestacões na porta de diretorios e residencias dos respectivos deputados regionais , assim se sentiriam pressionados.

  2. Leonardo

    Me parece mais um “revanchismo” ao novo governo, uma forma de “pagar” pelo golpe ao governp Dilma.
    Oa PEC 241 tem problemas (como a duração dela), mas é mais que necessário. Toda família brasileira que está com as contas apertadas está tendo que fazer o que o governo se propõe. Mas o principal ponto: o problema da educação no Brasil não é verba!! É gestão eficiente dos recursos (diferente da Saúde). O Brasil investe uma porcentagem de seu PIB em educação compatível com países com melhores índices educacionais. Entretanto, nosso desempenho educacional só piora (e com o slogan de Pátria Educadora).
    Lendo a proposta de reforma do Ensino Médio, disciplinas como Filosofia e Sociologia são optativas. Não significa que serão excluídas. O que a idealizadora do projeto afirmou é que cada conselho de ensino determinará sua grade. Acho q neste momento caberia uma ação mais pontual de estudantes e professores.
    O sistema educacional brasileiro é atrasadissimo e extremamente desmotivante. Seja nas aulas de português, matemática, artes ou filosofia. Qualquer proposta que reveja esse mausoléu educacional é válido.

    • Paulo Guarnieri

      Tá. Compare o número de estudantes do Brasil com o de outros países, depois fale em percentual do pib. A PEC afeta outras áreas, não só na educação, é pior com a saúde por exemplo e, longe de ser necessária porque não vai reduzir os gastos do governo, que tá gastando dinheiro que nem água. O objetivo é outro, usar o dinheiro para fraudes financeiras que vão arruinar o país completamente. Sobre as reformas educacionais eu concordo, mas tem que discutir com a sociedade, não sair fazendo mudanças, que vai ocasionar mais confusão ainda.

  3. bruno ribeiro

    Concordo, As pessoas tem que ir na origem do problema (no diretorio e residencias), pressionar os mesmos, realizar abaixo assinados requrendo num minimo um referendo para a papulação ter o direito de votar e opinar isso aí, passeatas pontuais(onde não atapalhem a vida dos outros, só assim há resultados..

  4. Samara de sousa

    Em relação a estas manifestações dos estudantes eh difícil ter a conclusão de uma solucao que agrade ambas as partes,pois ja que o senado tomou estas medidas eh porque seus entereses tem como objetivo um aumento progressivo para suas ideias…As medidas de protesto dos estudantes pouco importa para o governo.,pois os entereses dos mesmos nao serão entenrrompidos por estudantes em locais publicos ou privados..não acham???

  5. Carolina Camini

    Os demais setores da sociedade, ao invés de criticar os estudantes, deviam somar forças a eles. Os estudantes estão lutando pelo futuro da educação nesse país. Quem sofrerá com essa PEC? Os pobres e os filhos dos pobres, e todos aqueles que não podem pagar escolar caríssimas para o seus filhos. Que dependem das escolas públicas que já não recebem lá tanto incentivo e com a aprovação dessa medida receberá menos ainda. Os professores, que depois de doarem suas vidas ao estudo da Licenciatura e à profissão de educador, verão qualquer pessoa diplomada ocupar seus lugares dentro da sala de aula. Dar aula não é apenas ter curso superior não, é ter didática, é saber motivar e incentivar os estudantes a estudarem. Quantos professores universitários já existem que são péssimos mestres? Que apenas reproduzem conteúdos e parecem querer “vingar” seus sofrimentos estudantis em seus estudantes? A maioria desses professores apenas se formou em sua área, fez mestrado ou doutorado, mas não aprenderam NADA sobre ensino, sobre didática, sobre ser exemplo para aqueles que estão ali para escutá-lo.
    Enfim, para muitos é fácil criticar, especialmente para quem vive em pedestal e nunca precisou descer à terra dos que tem dificuldades. Apoiem os estudantes, apoiem os professores. Pois sem eles amanhã o Brasil não será nada além de terras de mafiosos e senhores de engenho.