Vem cá, me diz uma coisa: o que significa sustentabilidade? Isso está escrito em todo lugar, mas nunca vejo ninguém explicar o que é!

Essa é uma ótima pergunta. Sustentabilidade é uma palavra que entrou na moda, mas ninguém diz o que ela quer dizer de verdade. Ela surgiu em 1987 e apareceu pela primeira vez no Relatório Brundtland. Esse foi um documento publicado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na verdade, o termo usado foi “desenvolvimento sustentável”.

O que isso quer dizer?

A definição de desenvolvimento sustentável é: um tipo de desenvolvimento que “satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades”.

Ah, certo. E isso tem a ver com o meio ambiente?

Sim, tem relação com o meio ambiente, mas com muitos outros fatores. A economia, a política e a sociedade como um todo também entram nessa definição.

Economia e política? Mas o que isso tem a ver?

Está tudo relacionado! A economia determina que tipo de produto e serviço tem demanda, quanto dinheiro um tipo de produção gera, por exemplo. A política também tem muita influência. Dependendo de qual grupo está no poder pode ser mais fácil ou mais difícil aprovar leis que protejam o meio ambiente. Se os grupos ligados ao agronegócio têm muita influência, a sociedade vai ter muita dificuldade para conseguir criar restrições à derrubada de matas, por exemplo. Por isso, a ideia de desenvolvimento sustentável envolve praticamente todos os setores da sociedade.

Ainda não entendi exatamente como a ideia de sustentabilidade se relaciona com outras coisas que não o ambiente. Me explica?

Claro. A ideia é a de que devemos mudar comportamentos e sistemas que geram desperdício e desigualdade de uma maneira geral. Oded Grajew, presidente emérito do Instituto Ethos, resume isso de uma maneira simples: “Esgotar recursos naturais não é sustentável. Reciclar e evitar desperdícios são sustentáveis. Corrupção é insustentável. Ética é sustentável. Violência é insustentável. Paz é sustentável. Desigualdade é insustentável. Justiça social é sustentável. Baixos indicadores educacionais são insustentáveis. Educação de qualidade para todos é sustentável. Ditadura e autoritarismo são insustentáveis. Democracia é sustentável”.

Mas a ideia de sustentabilidade não é incompatível com o crescimento econômico?

Tem gente que acha que sim, que pensa que o regime capitalista não tem espaço para esse tipo de visão. Nosso sistema de produção precisa de muitos recursos naturais, humanos e financeiros para manter as taxas de crescimento. E isso sempre teria um custo muito alto. Mas o Relatório Brundtland é otimista e diz que é possível chegar ao desenvolvimento sustentável usando, principalmente, a tecnologia.

Fontes: 

http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/rio20/temas-em-discussao-na-rio20/ecodesenvolvimento-conceito-desenvolvimento-sustentavel-relatorio-brundtland-onu-crescimento-economico-pobreza-consumo-energia-recursos-ambientais-poluicao.aspx

https://www.ethos.org.br/cedoc/o-que-e-e-o-que-nao-e-sustentabilidade/

https://www.ecycle.com.br/sustentabilidade-o-que-e-conceito-de

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422010000100001

Conteúdo publicado em parceria com a Salsada